NOVENA DE SÃO JOÃO CALÁBRIA – 5º DIA

TEMA: O zelo apostólico

AMBIENTE: símbolos que expressem o zelo pela Igreja. Imagem de São João Calábria.

INTRODUÇÃO: A caminhada feita até agora nos predispõe a não nos fechar sobre nós mesmos e nossa comunidade, mas a nos abrir a novos horizontes, a novas realidades, a novos desafios. Com São Paulo podemos afirmar que: “Anunciar o Evangelho não é título de glória para mim, pelo contrário, é uma necessidade que me foi imposta. Ai de mim se eu não anunciar o Evangelho!” (1Cor 9,16-17).
São João Calábria nos adverte que este anúncio deve ser feito no estilo dos apóstolos; como eles viviam, como viviam as primeiras comunidades de cristãos: unidos num só coração e numa só alma, desprendidos do dinheiro, desinteressados, abandonados à Divina Providência, buscando em primeiro lugar o Reino de Deus, dedicando-se exclusivamente à evangelização e à salvação dos irmãos, especialmente dos mais pobres e abandonados, dispostos a tudo...

CANTO: Senhor se tu me chamas.

OLHANDO PARA A VIDA: Em 1932 a Congregação dos Pobres Servos da Divina Providência foi aprovada oficialmente pelo bispo de Verona. Foi um momento de alegria, mas também de profunda dor para o Pe. Calábria. Os irmãos, que desde 1907 viviam juntos com os padres, iguais em tudo, tiveram que deixar certos cargos pois as leis da Igreja não os permitiam.
            Sendo a Congregação clerical e não mista, só os sacerdotes podiam governa-la, deixando os irmãos em segundo plano. O Pe. Calábria aceitou com muita dor, mas com o pensamento de que Deus não estava de acordo com isso.
            Finalmente em 1949, quando a Congregação foi aprovada pelo Papa, o Pe. Calábria viu realizado o seu sonho: os irmãos voltaram a ocupar cargos junto com os padres, como Deus o tinha inspirado. Pe. Calábria não se preocupou apenas com os religiosos e religiosas da Congregação , ele sentiu um interesse e amor particular pelos sacerdotes em geral; via que a Igreja precisava de sacerdotes apostólicos, e de sacerdotes santos. Por isso abriu casas de formação para dar sacerdotes à Igreja, livres em optar para uma diocese qualquer ou congregação religiosa ou missionária.
            Além disso, preocupou-se com sacerdotes em dificuldades, ajudando-os a recuperar-se.

PALAVRA DE DEUS:  Lucas 10,1-12 – O Senhor escolheu outros setenta e dois discípulos, e os enviou dois a dois, na sua frente, para toda cidade e lugar aonde ele próprio devia ir. E lhes dizia: "A colheita é grande, mas os trabalhadores são poucos. Por isso peçam ao dono da colheita que mande trabalhadores para a colheita. Vão! Estou enviando vocês como cordeiros para o meio de lobos. Não levem bolsa, nem sacola, nem sandálias, e não parem no caminho, para cumprimentar ninguém. Em qualquer casa onde entrarem, digam primeiro: 'A paz esteja nesta casa!' Se aí morar alguém de paz, a paz de vocês irá repousar sobre ele; se não, ela voltará para vocês. Permaneçam nessa mesma casa, comam e bebam do que tiverem, porque o trabalhador merece o seu salário. Não fiquem passando de casa em casa. Quando entrarem numa cidade, e forem bem recebidos, comam o que servirem a vocês, curem os doentes que nela houver. E digam ao povo: 'O Reino de Deus está próximo de vocês!' Mas quando vocês entrarem numa cidade, e não forem bem recebidos, saiam pelas ruas e digam: 'Até a poeira dessa cidade, que se grudou em nossos pés, nós sacudimos contra vocês. Apesar disso, saibam que o reino de Deus está próximo'. Eu lhes afirmo: no dia do julgamento, Deus será mais tolerante com Sodoma do que com tal cidade.

PALAVRA DE SÃO JOÃO CALÁBRIA: NÓS SÓ NOS RENOVAREMOS SE VIVERMOS O EVANGELHO
A hora que estamos atravessando é uma hora difícil; ninguém sabe em quê tudo isso irá dar. Sem dúvida alguma, Deus saberá tirar grandes bens dessa confusão geral de princípios e vivências; mas por que caminhos chegaremos a esses bens? Estamos caminhando para uma nova ordem de coisas; também nós nos devemos renovar. Mas só nos renovaremos, se vivermos na prática o santo Evangelho, se formos nós mesmos Evangelhos vivos.
Devemos confessá-lo: há uma discordância demasiada entre o que o Evangelho ensina e aquilo que nós praticamos.
Precisamos acabar com este contraste. Aí, sim, já não poderão mais dizer que a Igreja já teve a sua época e que ela não corresponde mais às exigências de hoje.
Retornemos às fontes puras e genuínas do Evangelho, vivendo como viviam os primeiros cristãos, sem egoísmos, considerando que todas as pessoas pertencem a Deus, mostrando desinteresse em nosso trabalho pelo bem.
Jamais aconteça que cheguemos a nos preferir aos outros, arvorando-nos em importantes, como se fôssemos alguma coisa, ou pior do que isso, em reformadores: por favor, reformemo-nos a nós mesmos – isso, sim – e digamos sempre que não passamos de uns pobres servos de Deus, que nos esforçamos por nos santificarmos a nós mesmos de acordo com o nosso espírito, que é espírito de humildade e de abandono nas mãos de Deus.

REFLEXÃO: - Onde se fundamenta o zelo apostólico do Pe. Calábria?
- Por que pede insistentemente aos seus que tenham e vivam o espírito apostólico?

COMPROMISSO: - Como traduzir o ardor que Pe. Calábria sentia pela salvação dos homens?
- O que a vida dos apóstolos e de São João Calábria nos inspiram de concreto hoje?

CANTO: Livres para amar.
ORAÇÃO: Lembrar de pessoas que marcaram e marcam com seu estilo o ser apóstolo.
CANTO FINAL: Oração apostólica.

(Texto da Novena tirado do livro: NOVENA DE SÃO JOÃO CALÁBRIA. Congregação Pobres Servos da Divina Providência. Proibida a divulgação sem os créditos).

Retornar a Novena                 Acesse a página: Espiritualidade Calabriana.